terça-feira, 31 de maio de 2011

Vídeos « Conexão Eclésia

Vídeos « Conexão Eclésia

sábado, 21 de maio de 2011


AS 5 PEDRAS ESCOLHIDAS POR DAVI!

 

1ª PEDRA - A PEDRA DA CORAGEM. I Sm - 17:40.
A pedra da coragem Davi sabia que isso é fundamental na vida de um servo de Deus.

2ª PEDRA - A PEDRA DA OBEDIÊNCIA.
Deus não se agrada de pessoas desobedientes, pois vemos na palavra (I Sm 15:22) que é melhor obedecer do que sacrificar.

3ª PEDRA - A PEDRA DA PROMESSA.
Davi sempre deu crédito às palavras de Deus. Nunca esqueça, Deus é um Deus de promessa.

PEDRA - A PEDRA DA UNÇÃO o profeta Samuel havia ungido a Davi para ser Rei em Israel, e ele não esqueceu que sobre ele estava a unção.

5ª PEDRA - A PEDRA DA FÉ. 
Davi esperava em Deus vencer o gigante. você sonha em vencer algum problema tenha fé.

Davi enfia sua mão no alforje e tira uma pedra, A PEDRA DA FÉ, Davi então já via Golias no chão antes mesmo de atirar a pedra. Davi atira a pedra, mas a mira e a força é o Espírito Santo quem dá.Essa é a vida do servo de Deus, anda sempre com as armas certas para ter vitória
! 

sexta-feira, 20 de maio de 2011


Jesus está voltando, mas o homem não percebe
 nem se redime ao Senhor

Estamos vendo momentos árduos na vida de
muitas pessoas que tiveram seus familiares horrivelmente assassinados.
Cada dia, nós percebemos uma história, uma situação diferente ou
similar; o homem no mundo está perdendo constantemente seus entes
queridos em mortes de todos os tipos.

Notamos que os crimes são bárbaros, monstruosos, cujo
indivíduo simplesmente dá lugar ao Diabo, a fim de fazer a vontade
deste; logo, realizada a monstruosidade, aquele tem diferentes finais,
tais como: vai à cadeia; suicida-se; vive uma vida de foragido
tranquilamente; vive uma vida de foragido atormentando e perturbado; é
morto por alguém.

Mas, o que está acontecendo nos tempos atuais? O homicídio, a pedofilia,
o estupro, o roubo, a violência física e verbal não estão sendo mais tão anormais,
 pelo que parece quanto às pessoas que não estão aos pés de Cristo.

Diante dessas horrendas situações, podemos perceber que
muitas pessoas, mesmo vendo tais coisas, elas não aceitam o Emanuel.
Conclui-se que, hoje em dia, almas estão vendo a destruição, estão
sofrendo; mas quando alguém fala a elas para ‘aceitarem a Jesus Cristo’,
infelizmente, há as que não aceitam. Até há casos de pessoas que, ao
se depararem com servos de Deus as evangelizando, mudam de
comportamento, ficam grossas, ignorantes e agressivas. Mas por que
isso? Para que as Escrituras sejam cumpridas.

Nem todos os homens querem obedecer a Jesus, mas quando há
alguma coisa terrível que aconteceu, aí se dividem entre Deus ou
deuses; lembrando que até mesmo os que interrogam-nO, dizendo:
“Por que Senhor, Tu permitiste isso”? 

Além disso, há vários tipos de crentes atualmente: os que
obedecem a Deus sinceramente; os que apenas querem servir por servir,
pois em seus interiores nem pensam e temem ao Senhor-estes estão com os
seus corações distantes do Pai; os que falam para obedecer, todavia às
escondidas são piores que as pessoas que não são etc; entretanto,
diante desse fato, há uma sublime justificativa nas palavras de Jesus
na ‘Parábola do Semeador’ do livro de Mateus, capítulo 13.1-23.

É inevitável não sentir e presenciar a tristeza de
muitíssimas pessoas que estão sofrendo com males terríveis e
diabólicos, causados pela antiga serpente chamada Satanás, que causa e
procura, diligentemente, a ruína e destruição de seu irmão. Entretanto,
vê claramente que muitos não aceitam a Cristo mesmo em meio a essas
lutas, ou aceitam-no, todavia por causa de algumas lutas, deixam-no.

Homens e mulheres, seja qual for a idade, o país que
vivem, os momentos difíceis que já passaram, o mais importante é que
creiamos nessas palavras: “Jesus está voltando, Jesus está voltando”!
Paremos de pensar que Ele não está vendo a nossa ingratidão,
hipocrisia, falsidade, mentira, corrupções; aqueles pecadinhos que
praticamos às escondidas, nosso pensar; enfim, lembremos que Ele está
em todo tempo nos olhando, contemplando a maldade e bondade do nosso
interior.

Não tenhamos dúvida que Ele está voltando, apenas demos
uma observada cautelosa nos momentos causais que estão ocorrendo no
mundo. Cito aqui uma: Jesus não disse acerca dos terremotos (Mateus 24.7)? 
Já houve terremotos no mundo? Ou Jesus mentiu sobre isso? NÃO! 
O mundo já teve isso e virão coisas além destas; a Palavra do Senhor não volta,
nunca voltará vazia (Isaías 55.11).

Ainda há tempo para aceitar a Jesus! Ainda há tempo para se
redimir, viver, comer, beber, amar seus irmãos, perdoá-los, ajudá-los,
amparar os necessitados; enfim, você não está vivo? Há tempo para
recomeçar uma vida florescente e brilhante ao lado de Deus! Não será
mil maravilhas, terá espinhos, lutas pesadas; mas CREIA,
você não passará sozinho, o Todo-Poderoso vai passar com você; depois,
certamente, Ele te fará enxergar que tudo tem um porquê, em toda a
perseguição e prova há em sua finalização, uma bênção linda e
importantíssima ao seu pequeno ser!

Jesus está voltando, mas o homem não percebe
 nem se redime ao Senhor

Estamos vendo momentos árduos na vida de
muitas pessoas que tiveram seus familiares horrivelmente assassinados.
Cada dia, nós percebemos uma história, uma situação diferente ou
similar; o homem no mundo está perdendo constantemente seus entes
queridos em mortes de todos os tipos.

Notamos que os crimes são bárbaros, monstruosos, cujo
indivíduo simplesmente dá lugar ao Diabo, a fim de fazer a vontade
deste; logo, realizada a monstruosidade, aquele tem diferentes finais,
tais como: vai à cadeia; suicida-se; vive uma vida de foragido
tranquilamente; vive uma vida de foragido atormentando e perturbado; é
morto por alguém.

     Mas, o que está acontecendo nos tempos atuais? O
homicídio, a pedofilia, o estupro, o roubo, a violência física e verbal
não estão sendo mais tão anormais, pelo que parece quanto às pessoas
que não estão aos pés de Cristo.

     Diante dessas horrendas situações, podemos perceber que
muitas pessoas, mesmo vendo tais coisas, elas não aceitam o Emanuel.
Conclui-se que, hoje em dia, almas estão vendo a destruição, estão
sofrendo; mas quando alguém fala a elas para 
‘aceitarem a Jesus Cristo’,
infelizmente, há as que não aceitam. Até há casos de pessoas que, ao
se depararem com servos de Deus as evangelizando, mudam de
comportamento, ficam grossas, ignorantes e agressivas. Mas por que
isso? Para que as Escrituras sejam cumpridas.

Nem todos os homens querem obedecer a Jesus, mas quando há
alguma coisa terrível que aconteceu, aí se dividem entre Deus ou
deuses; lembrando que até mesmo os que interrogam-nO, dizendo:
“Por que Senhor, Tu permitiste isso”? 

Além disso, há vários tipos de crentes atualmente: os que
obedecem a Deus sinceramente; os que apenas querem servir por servir,
pois em seus interiores nem pensam e temem ao Senhor-estes estão com os
seus corações distantes do Pai; os que falam para obedecer, todavia às
escondidas são piores que as pessoas que não são etc; entretanto,
diante desse fato, há uma sublime justificativa nas palavras de Jesus
na 
Parábola do Semeador’ do livro de Mateus, capítulo 13.1-23.

É inevitável não sentir e presenciar a tristeza de
muitíssimas pessoas que estão sofrendo com males terríveis e
diabólicos, causados pela antiga serpente chamada Satanás, que causa e
procura, diligentemente, a ruína e destruição de seu irmão. Entretanto,
vê claramente que muitos não aceitam a Cristo mesmo em meio a essas
lutas, ou aceitam-nO, todavia por causa de algumas lutas, deixam-nO.

     Homens e mulheres, seja qual for a idade, o país que
vivem, os momentos difíceis que já passaram, o mais importante é que
creiamos nessas palavras: “Jesus está voltando, Jesus está voltando”!
Paremos de pensar que Ele não está vendo a nossa ingratidão,
hipocrisia, falsidade, mentira, corrupções; aqueles pecadinhos que
praticamos às escondidas, nosso pensar; enfim, lembremos que Ele está
em todo tempo nos olhando, contemplando a maldade e bondade do nosso
interior.

Não tenhamos dúvida que Ele está voltando, apenas demos
uma observada cautelosa nos momentos causais que estão ocorrendo no
mundo. Cito aqui uma: Jesus não disse acerca dos terremotos (
Mateus 24.7)? 
Já houve terremotos no mundo? Ou Jesus mentiu sobre isso? NÃO! 
O mundo já teve isso e virão coisas além destas; a Palavra do Senhor não volta,
 nunca voltará vazia (Isaías 55.11).

Ainda há tempo para aceitar a Jesus! Ainda há tempo para se
redimir, viver, comer, beber, amar seus irmãos, perdoá-los, ajudá-los,
amparar os necessitados; enfim, você não está vivo? Há tempo para
recomeçar uma vida florescente e brilhante ao lado de Deus! Não será
mil maravilhas, terá espinhos, lutas pesadas; mas
 CREIA,
você não passará sozinho, o Todo-Poderoso vai passar com você; depois,
certamente, Ele te fará enxergar que tudo tem um porquê, em toda a
perseguição e prova há em sua finalização, uma bênção linda e
importantíssima ao seu pequeno ser!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Cadeia para quem Discordar da Sodomia PCL 122 / PL 122 - Texto e Video - Midia Gospel

Cadeia para quem Discordar da Sodomia PCL 122 / PL 122 - Texto e Video - Midia Gospel

Mantos Y Palmas (Acordeón)

Israel - prova da veracidade da Bíblia

Pecado e suas raizes


Foto/Imagem Pecado e suas raizes Estudos BiblicosSe existe uma palavra que está sempre presente em nosso linguajar cristão-evangélico, esta é a palavra "pecado". Portanto, a fim de podermos compreender melhor o que significa este importante termo de nosso vocabulário, é necessário estudá-lo sob algumas de suas principais nuanças lingüísticas. E é isso o que buscaremos fazer a partir das linhas que seguem.

I - O Pecado e a Sua Raiz Hebraica

Em hebraico há algumas palavras que estão relacionadas ao conceito de pecado. Entretanto, a principal palavra (existem outras, é claro) utilizada para descrever o pecado é a palavra hebraica hata', cujo sentido básico é o de "errar um alvo ou um caminho", ou ainda "ficar aquém do padrão".[1] Essa palavra pode ser encontrada em uma de suas várias formas verbais, por exemplo, em Jz 20.16, onde lemos sobre a existência de "setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais todos atiravam uma pedra com a funda a um cabelo, e não erravam (yahati')". A partir desse conceito básico, podemos dizer que "pecar é errar a mosca". Calma, não estou me referindo ao "inseto" chamado mosca. Antes, estou me referindo à mosca em seu sentido técnico-militar, fazendo alusão ao "ponto central do alvo nos exercícios de tiro". Aliás, esse assunto me faz lembrar da época em que servi no Tiro de Guerra de minha cidade natal, São Caetano do Sul - SP. Lembro-me que nas aulas de tiro ao alvo o meu subtenente costumava dar notas aos tiros de fuzil. Quanto mais perto do alvo (mosca) o tiro chegasse, melhor era a nota. E as notas basicamente eram: Ruim, Regular, Bom, Muito Bom e Ótimo. Geralmente, eu tirava o conceito Bom, o que me deixava decepcionado, pois eu queria estar entre os melhores atiradores. Porém, lembro-me da frustração estampada no rosto daqueles que tiravam Ruim e da alegria contagiante daqueles que recebiam Ótimo. Acredito que este fato deveria servir para despertar em cada um de nós o seguinte questionamento: "Que nota eu tenho recebido do Mestre em meu tiro ao alvo espiritual?". Ou melhor dizendo: "a vida cristã que tenho vivido ultimamente tem sido aprovada ou rejeitada por Deus?". Ou ainda, para usar uma linguagem mais militarizada: "que 'nota' Deus daria para a minha 'pontaria' de hoje"? Pense nisso.

II - O Pecado e a Sua Raiz Grega

Já na língua grega, a palavra que melhor caracteriza a idéia de pecado é a palavra hamartia, cujos significados básicos são: "falha, culpa, pecado".[2] Kenneth Wuest, ao comentar o conhecido texto de Rm 3.23: "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus", faz uma interessante observação sobre o conceito de pecado que aparece no verso. Ele diz:
"O termo grego aqui traduzido como 'pecado' é uma palavra que, entre os gregos pagãos, significava 'errar o alvo' ou 'falhar no desempenho'. Os atletas gregos, mirando um alvo, algumas vezes erravam na pontaria. Assim também a raça humana inteira errou o alvo, a saber, uma vida conduzida para a glória de Deus".[3]
Ao lermos esse texto, percebemos que o conceito de "pecado" por trás da palavra hamartia é muito parecido com o conceito encontrado no hebraico hata', principalmente quanto à idéia de "errar o alvo".

III - O Pecado e a Sua Raiz Latina

Por fim, nos deparamos com o conceito de "pecado" em latim. Sabe-se que o verbo português "pecar" é derivado do latim peccare que, em seu uso primitivo, significava: "fazer passo em falso, perder o pé, e, portanto, cair, falando-se dos cavalos e outras montarias; depois, figuradamente, fazer mau passo moral, errar, cometer falhas".[4] Tal palavra tem ligação com a palavra latina pecus, que significa: "pé defeituoso, pé incapaz de percorrer o caminho".[5] Em outras palavras, "pecar" é "coxear, manquejar, capengar". Aliás, a partir desses dados, poderíamos muito bem concluir que "pecar" é "dar mancadas com Deus". Dito de outra maneira, quando pecamos estamos dando um "passo em falso" em nossa relação com Deus.

Conclusão

De forma bem geral, podemos resumir esse breve texto dizendo que a "raiz" do pecado encontra-se basicamente em dois fatores: "errar o alvo" e "pisar em falso no caminho de Deus". Quando não atingimos o "alvo" proposto por Deus para a nossa vida (que é glorificá-lo por meio de todo o nosso viver) e também quando não andamos "corretamente" nos seus caminhos, tais atitudes se traduzem em pecado diante dEle.
Àquele que é poderoso para ajudar-nos em nossa "pontaria" e em nosso "caminhar" seja a glória e o louvor para todo o sempre

sábado, 14 de maio de 2011

DEUS MUDA SUA PERSPECTIVA!


BASTA TERMOS FÉ, O QUE É A FÉ?
Qual é a definição de fé? A Bíblia diz em Hebreus 11:1 “Ora, a fé é o firme 
fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se 
vêem.” Jesus é a origem da fé. A Bíblia diz em Lucas 17:5 “Disseram 
então os apóstolos ao Senhor: Aumenta-nos a fé.” A Bíblia diz em Romanos
10:17 “Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo.”
A verdadeira fé é crer no que Cristo fez por nós. A Bíblia diz em Romanos 
5:1 “Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso 
Senhor Jesus Cristo.” Fé é confiar em Deus para tudo. A Bíblia diz em
Hebreus 10:38 “Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha 
alma não tem prazer nele.” Uma fé fraca pode-se tornar numa fé forte 
com a ajuda de Deus. A Bíblia diz em Marcos 9:24 “Imediatamente o pai do
menino, clamando, [com lágrimas] disse: Creio! Ajuda a minha 
incredulidade.
“Juro pelo nome do Senhor, o teu Deus, que não tenho nenhum pedaço de pão; só um punhado de farinha num jarro e um pouco de azeite numa botija. Estou 
colhendo uns dois gravetos para levar para casa e preparar uma refeição 
para mim e para o meu filho, para que a comamos e depois morramos.”

 1 Reis 17.12 (NVI)

Muito interessante a história desta viúva. O riacho de sua cidade secou-se por falta de chuva e veio uma grande escassez na região.

A situação na qual se encontrava era tão terrível que sua perspectiva era cozer o que lhe restava de comida para que ela e seu filho fizessem sua última refeição. Depois disto, só lhes restaria aguardar a morte.

Mas algo sobrenatural aconteceu. Deus enviou um servo Seu, o profeta Elias, para ajudar aquela mulher. Apesar de a maneira em que o milagre fora realizado ter sido inusitada, a viúva obedeceu. Utilizou todo o material restante para preparar comida para o profeta e não a ela e seu filho. Que loucura, não é?

Mas por causa desta atitude nova, experimentou um milagre novo. Porque ousou obedecer ao pedido ‘maluco’ do homem de Deus, foi abençoada e houve 
azeite e farinha suficientes em sua casa até o dia em que a chuva tornou
a cair em sua cidade.

Como está sua vida hoje? Um verdadeiro caos? Já ousou a obedecer à voz do Senhor como nunca fez antes?

Deus exigiu dela tudo o que possuía... e este sustento só serviria para 
ajudá-los a sobreviver por mais alguns dias... ela não tinha nada a 
perder... morreria do mesmo jeito! Então resolveu crer na Palavra do 
Senhor, mesmo pondo sua vida e seu sustento em xeque. Não pensou em si e
em seu filho, mas confiou no Senhor.

O que Deus tem pedido a você? Sua vida? Seu tempo? Uma parte de seu recurso? Confiança verdadeira nEle? Obediência total e irrestrita a Ele?

Com certeza a viúva foi testada por Deus... como passou no teste, recebeu a recompensa.

Um conselho? Faça o que Ele manda. Isto pode ser um teste e com certeza 
você não quererá ser reprovado. Deus tem pedido algo inusitado a você 
que por medo (o que é bem natural) não consegue fazer. Com certeza Ele
será o seu sustento. Creia nisto e você terá uma nova visão de seu 
futuro... sua perspectiva será mudada pelo Senhor
.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

TEMA: NÃO CHORES.


REFERÊNCIA BÍBLICA: E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores.(Lc 7:13)

O choro é uma expressão visível de nossos sentimentos, quando alguém chora! Geralmente e consequência de uma situação caótica em sua vida. Nos dias hodiernos, temos visto pessoas de todas as escalas sociais derramarem lágrimas diuturnamente pelo motivo de seus corações estarem cheios de tristezas. Exemplo: Quantos pais têm chorado pela dor de ter perdido o filho que morreu vitimado por bala perdida. Quantos pais estão chorando por que seu filhinho saiu para comprar pão e nunca mais retornou para casa. Porém, e viável esclarecer que calamidades que tem levado a humanidade a sofrer e consecutivamente chorar nunca fez parte da criação de Deus.

“E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom”;(Gênesis 1:31)

Observe que o próprio Deus deu testemunho de sua criação dizendo que tudo era muito bom. No entanto, após o pecado, introduziu-se as aflições no mundo. Veja por você mesmo.

maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Espinhos, e cardos também, te produzirão; e comerás a erva do campo. No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás.(Gênesis 3:17-19)

Desde então o sofrimento passou a fazer parte do viver diário do homem. Esta verdade esta clara no texto Bíblico de hoje, pois o mesmo mostra o choro de uma mulher que além de viúva acabara de perder seu único filho. Vamos imaginar que um amigo dela desejoso em confortá-la dissesse: Não chores. Com certeza ela responderia: Como não chorar se meu único filho morreu? Na verdade, não e isto que tem acontecido com muitos cristãos? As aflições são tantas que o sorriso de muitos se tem transformado em lágrimas. No intuito de trazer consolo alguns dizem: Não chore. De imediato vem a tua mente. Como não chorar se vou ser despejado da casa onde estou morando? Como não chorar se sou incompreendido entre a família? Como não chorar se estou sendo perseguido injustamente? Como não chorar se meu filho foi embora de casa? Como não chorar se sou alvo de criticas entre as pessoas? Como não chorar se meu filho me pediu uma bala e não tenho como comprá-la. Todos esses sofrimentos são uma realidade na vida de muitos de nos. Entretanto chamo sua atenção para a atitude de Jesus para com a viúva. Quando Ele aproximou-se dela disse-lhe: Não chores, é logo de imediato Jesus agiu poderosamente em favor da mesma como se vê no versículo em seqüência.

E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar.E entregou-o a sua mãe.(Lucas 7:14-15) 

A história em foco mostra-nos que Jesus de forma amorosa diz para não chorar. Mas também a mesma mostra-nos que Ele remove totalmente o problema que tem sido a causa do choro. Foi isso que Ele fez com a viúva que agora estava sorridente com teu filho nos braços após ter sido ressuscitado. Da mesma forma Jesus diz a você: Não chores. Pois, Eu já comecei remover as aflições que tem lhe feito sofrer. Portanto no lugar do teu choro comece a sorrir. Esta e a palavra de Deus para você no dia de hoje. Amem!

MANIFESTO PASTOR DANIEL SAMPAIO HOMOSSEXUALISMO DECISÃO STF HOMOAFETIVIDADE

quinta-feira, 12 de maio de 2011

PAI NOSSO


Não digas: "PAI NOSSO" , 
se não te comportas cada dia como um filho, 
nem tratas os demais como irmãos. 

Não digas: "QUE ESTÁS NOS CÉUS" ,
se somente pensas e amas as coisas da terra.

Não digas: "SANTIFICADO SEJA O TEU NOME" ,
se estás preocupado em santificar o nome de outros deuses
que tomam parte de sua vida.

Não digas: "VENHA O TEU REINO" ,
se não acreditas nem estás preparando-te para este acontecimento.

Não digas: "SEJA FEITA A TUA VONTADE" ,
se não aceitas quando é dolorosa.

Não digas: "ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU" ,
se não acreditas na vida eterna.

Não digas: "O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DÁ HOJE" ,
se não te preocupas com tantos pobres que hoje estão com fome.

Não digas: "E PERDOA-NOS AS NOSSAS DÍVIDAS,
ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS AOS NOSSOS DEVEDORES" ,
se ainda guarda rancor e ódio do teu irmão.

Não digas: "E NÃO NOS INDUZAS À TENTAÇÃO" ,
se tua intenção constante é pecar.

Não digas: "MAIS LIVRAI-NOS DO MAL" ,
se não cooperas com Deus frente as tentações do inimigo.

Não digas: "AMÉM !" ,
se não acreditas no Pai Nosso.

A águia

A águia, após ter o filhote,
ela o acomoda em um ninho bem confortável.
Ela coloca pedras, gravetos,
folhas e por último, palha.
O ninho fica macio, gostoso e ela o alimenta.
Mas quando o filhote já tem condições de voar,
ela o força a sair do ninho.
Primeiro, ela tira a palha,depois as folhas e
os gravetos,deixando somente as pedras.
Como as pedras o machucam,
o filhote não tem escolha, ele é obrigado a voar.
E ela o ajuda.
A princípio, um vôo tímido .
Ela o deixa cair...
quando ele pensa que não tem mais jeito,
ela dá um razante e o pega,
levando-o de volta,
pra novas tentativas de vôo,
até que ele consiga voar sozinho,
alcançando as alturas.
E ela fica feliz ao ver seu filhote voando.
As vezes Deus faz assim conosco,
retira as proteções do ninho pra nos forçar
voar mais alto.
O Senhor quer que alcancemos as alturas!
Não tenha medo,você pode voar.
Deus é contigo!
Faça das dificuldades oportunidades...
Voe bem alto
APENAS COFIE MAIS NO SENHOR JESUS CRISTO

Damares-Sabor de mel

quarta-feira, 11 de maio de 2011



Filhos de ateus buscam a fé fora de casa

Larissa Queiroz uma carta de uma instituição filantrópica e, dentro do envelope, descobre um terço de plástico de brinde. A filha Beatriz, de sete anos, adora a novidade e coloca no pescoço na mesma hora. “Expliquei que aquilo não era um colar, disse do que se tratava e me parece que ela ficou ainda mais interessada”, conta a mãe recifense que vive em São Paulo. Desde então, a pequena pede para rezar toda noite. Outro dia, convenceu o pai a levá-la a uma missa pela primeira vez.

As novas gerações de céticos, agnósticos e ateus não casam na igreja, não batizam seus filhos, nem têm religião ou falam de fé. Eles simplesmente desconsideram a existência de Deus. “Esse assunto jamais foi tocado aqui casa, inclusive escolhemos a escola com base nisso. Descartamos todas aquelas com qualquer enfoque religioso”, completa Larissa.
Mas isso não impede que, em alguns casos, seus filhos sintam a necessidade e até cobrem uma discussão sobre fé e religião. De acordo com Eduardo Rodrigues da Cruz, professor do Programa de pós-graduação em Ciências da Religião da PUC de São Paulo, os psicólogos cognitivos tem estudado o assunto com crianças de várias faixas etárias. “Suas conclusões: todos somos naturalmente teístas, e, à medida que crescemos, vamos diversificando nossas posturas”, afirma o doutor em teologia, que também é mestre em física. Ou seja, para ele, a fé é uma postura “natural”, que é racionalizada conforme amadurecemos
Crente por natureza
O polêmico cientista britânico Richard Dawkins também defende essa ideia. Conhecido como ‘devoto de Darwin’, em seu bestseller “Deus, um delírio”, o autor sugere que todas as crianças são dualistas (aceitam que corpo e alma sejam duas coisas distintas) e teleológicas (demandam designição de um propósito para tudo) por natureza. Assim, o darwinista dá conta de explicar o que poderíamos chamar de hereditariedade religiosa na qual, inevitavelmente, acabamos por seguir a opção de fé de nossos pais. Só que nem sempre é assim.

Em uma noite de mais de uma hora de apagão, escuro total e absoluto, Beatriz, a filha de Larissa, teve uma ideia: "vamos rezar para a luz voltar”. “Eu lógico, relutante, tentei explicar que não adiantaria, mas ela insistiu, insistiu e rezamos. Um minuto depois, a luz voltou”, descreve. Em seu blog, Larissa desabafa: “será que temos como evitar isso? Estou achando que não”.
Marina de Oliveira Pais, carioca, é filha de pai ateu. Sua mãe, assim como muitos brasileiros, foi batizada, mas não pratica nenhuma religião. “Minha mãe não sabe dizer de que doutrina é, por isso também nunca soube muito bem no que acreditar. Eu tinha fé na ‘força do pensamento’, que se pensássemos positivo atrairíamos coisas positivas e se pensássemos negativo atrairíamos coisas negativas”, diz a jovem de 22 anos.
Quando decidiu morar sozinha pela primeira vez, Marina conheceu Bernardo Nogueira, de 20 anos. Apaixonada, ela conseguiu resistir aos convites da família do namorado para ir a uma igreja evangélica só por alguns meses. Mas relata que, já na primeira vez que assistiu ao culto, teve certeza de que estava no lugar certo. “Fiquei maravilhada”, descreve.
Ela então mudou drasticamente seu estilo de vida. “Cortei a bebida, as baladas e os palavrões. Hoje meus pais respeitam minha situação de convertida justamente por essas minhas mudanças comportamentais”, afirma.
Sentir-se acolhida em uma doutrina que se baseia na Bíblia é justamente o que importa hoje para Jaqueline Slongo, de 23 anos. Depois de um tempo separados, ela voltou a viver na cidade natal de Curitiba com o pai ateu. Ironicamente, por conta de uma bolsa de estudos, a então adolescente foi estudar em um colégio católico. O retorno à cidade grande, onde as desigualdades sociais são mais gritantes, o descobrimento da Bíblia e a fase de mudanças, levantaram muitos questionamentos. “Comecei a me questionar sobre a existência de Deus, fazia perguntas para as freiras do colégio, mas as respostas não me saciavam", lembra.
Black out
Jaqueline começou a achar que havia alguma coisa errada entre o que lia e o que pregavam suas 'instrutoras espirituais'. "Elas me mandavam rezar, mas eu não curtia”, confessa. Seu pai viajava muito e, como não acreditava em Deus, a filha preferia não falar sobre o assunto com ele. O processo foi sofrido, e aconteceu em meio às transformações da adolescência, à ausência dos pais, e à angústia causada por sintomas de depressão. “Eu era muito agressiva, rebelde, intolerante. Não tinha amigos e sempre me isolava”, conta.

Ela então buscou alívio e conforto na religião. Hoje, a estudante se considera protestante, mas passou por diversas comunidades cristãs diferentes. Diz que não se importa com rótulos, mas sente que é preciso estar em grupo. “Acho importante a vivência em comunidade, pois é no relacionamento com outros que seu caráter se constrói”, afirma.
Com o pai, ficou cinco anos sem poder comentar nada sobre sua fé. Até que, há três meses, consciente da mudança espiritual da filha, ele lhe pediu que comentasse, ‘de forma sucinta’, no que exatamente ela acreditava. A partir de então, ela diz, ele tem pedido que também reze por ele.

sábado, 7 de maio de 2011

Um quebrantado coração - Fernanda Brum

JESUS CRISTO: O MAIOR TRIUNFO DA HISTÓRIA


Quando iniciou o Seu ministério tinha cerca de 30 anos de idade (Lc 3:23) e morreu cedo demais (para os padrões humanos normais), cerca de 3 anos depois, e pior: "assassinado" (de um ponto de vista meramente humano), com 33 anos de idade aproximadamente e muitos podem ficar perplexos com isso.

Para muitos, a morte de Cristo na cruz foi apenas uma demonstração de fraqueza e de derrota da parte Dele. Muitos aspectos da vida de Cristo não parecem condizer com alguém que um dia viria a ser derrotado.

Jesus era (e é) Rei, Mestre e Senhor (Lc 5:5; 17:13; Jo 3:2; 4:31; 13:13; 18:37; 20:16), Ele é O caminho, A verdade e A vida (Jo 14:6), Ele demonstrou Sua sabedoria, o que admirou a muitos (Mt 13:54; 22:46; Mc 11:18; 12:17,34b; Lc 4:22; Jo 3:11-12; 6:63,68; 7:46; 16:30), demonstrou autoridade (Mt 4:19-20; 21:12-13; Mc 1:22,27; 2:28; Lc 4:32; Jo 1:42; 2:16; 10:27-28; 13:3; 17:1-2).

Jesus demonstrou a Sua soberania (Jo 15:5,16), poder sobre a matéria criada (Mt 14:19-21; Jo 2:8b,10; 6:5-14), sobre as doenças, enfermidades e tormentos (Mt 4:23-24; 8:1-3; 9:35; 15:30; Jo 5:8-9; 9:6-7), sobre os demônios (Mt 8:16,29-30; Mc 1:24; Lc 4:36; 10:17), sobre a natureza (Mt 8:26-27; 14:25; Mc 4:38-41; Jo 6:19), sobre a vida (Jo 5:21,24-26; 8:51; 10:10b) e a morte (Lc 7:11-15; Jo 4:50; 11:25-26, 38-44).

Ele foi admirado, afamado e seguido pelas multidões (Mt 4:24; 14:14; 15:30; 19:2; 21:8-11; 22:22,33; Mc 7:37; 10:1; Lc 5:15; Jo 12:12-19), chegando às vezes a milhares de pessoas (Lc 12:1), sendo que muitos ouviram fascinados os Seus ensinos e com prazer e alegria mesmo logo de manhã (Mc 12:37b; Lc 13:17; 19:48; 21:38).

Muitas pessoas, sem conhecer e compreender toda a história da salvação e o poder de Deus, podem questionar por que mesmo depois de todas aquelas demonstrações de poder, sabedoria, autoridade e aprovação pública por parte do Salvador, ainda conseguiram prendê-Lo com facilidade (Jo 18:12).

Por que Deus permitiu esse "final" tão trágico? Afinal, Jesus não era onisciente? Jesus sabia exatamente o que a pessoas pensavam (Mt 9:4; 12:25; Mc 2:8a; Lc 5:22; 6:8; 9:47; 11:17; Jo 1:47-50; 13:19; 37-38; 18:4). Ele conhecia os pensamentos bons e ruins das pessoas e não se confiava muito a elas (Jo 2:24-25; 6:67; comparem com Mt 22:18; Mc 12:15).

Mas será que foi assim mesmo? Jesus não teve como evitar? Que tragédia não é mesmo?! Mas, será que foi uma tragédia? Será que Jesus foi pego de surpresa e foi derrotado? Então, diante de tantas "evidências" não nos parece que Ele foi derrotado? Ou será que Ele foi (e é) um vencedor?

Ninguém O prendeu e O matou por obra do acaso e por sinal de fraqueza de Deus, mas todo o contexto da morte e ressurreição do Senhor estava dentro dos propósitos benignos e soberanos de Deus. Quando vemos as pessoas agindo de forma errada ou algum acontecimento trágico ocorrendo, uma circunstância adversa, não podemos esquecer que Deus está no controle e pode transformar a aparente derrota em uma imensurável vitória.

Meus prezados amigos e irmãos leitores, como muitos de vocês também sabem muito bem, desde a eternidade tudo a respeito da salvação da humanidade já estava decretado por Deus, Cristo é eterno (Jo 8:58; 17:24), Ele é o Cordeiro que foi morto antes da fundação do mundo (Rm 2:7; 1Pe 1:20; Ap 13:8). Nada pegou a Deus de surpresa, tudo estava dentro dos Seus planos infalíveis, dentro de Seus propósitos eternos, nada escapou do Seu controle, Ele não precisou mudar de planos ou improvisar nada.

Jesus sabia perfeitamente de Sua missão de pregar o Reino de Deus, as boas novas e de dar a Sua vida pelos pecadores (Mt 9:13; 18:11; 20:28; Mc 1:38; Lc 4:43; Jo 7:33-34; 8:21; 10:14-16; 12:27,47; 17:26). Ele sabia o que deveria acontecer em Sua vida e na vida de Sua Igreja (Mt 16:18; Jo 7:39; 8:28; 12:30-32; 13:1-3; 36-37; 14:19; 18:4).

Jesus sabia o momento exato e a maneira exata pelos quais deveria se comportar (Lc 9:51; Jo 2:4; 6:6; 7:6-8; 11:14-15; 12:49; 13:1; 16:25). Ele reconhecia que Suas decisões eram as certas (Jo 8:16). Ele, inclusive predisse várias vezes o que ocorreria com Ele, que seria preso, escarnecido e crucificado, mas que ressuscitaria (Mt 17:22-23; 20:17-19; 26:10-12; Mc 8:31-32a; 9:30-31; Lc 9:22,44; 18:31-33; Jo 18:32). Muitas vezes tentaram prendê-Lo, mas ninguém lhe colocou as mãos, pois a hora determinada para a prisão Dele não havia chegado ainda (Jo 7:30,44; 8:20; 10:39).

Aliás, Pilatos só manteve Cristo sob sua custódia porque o Pai Celeste autorizou e não porque Pilatos foi mais forte que Cristo (Jo 19:11a). Ademais, no momento de Sua prisão, Cristo evitou que houvesse violência e se deixou prender e afirmou que facilmente poderia pedir ao Pai que lhe colocasse à Sua disposição mais de doze legiões de anjos para o defender (Mt 26:52-53). Portanto, a prisão de Cristo claramente era algo que precisava ocorrer, mas no momento certo, depois que Ele já tivesse entregue Seus ensinamentos, para se cumprir as Sagradas Escrituras (Mt 26:54-56; Mc 14:48-49; comparem com Lc 22:37; 24:44-49).

Não, de forma alguma Jesus foi assassinado, derrotado na cruz, nem pelos judeus, nem pelos romanos e nem por Satanás (Mt 4:1-11; Lc 10:17-18; Jo 14:30; 16:11). Ninguém assassinou Jesus. Ninguém tinha esse poder em toda a Terra e no universo, mas Jesus tinha autoridade dada pelo Pai de dar a Sua vida e reavê-la, espontaneamente (Jo 10:17-18).

Portanto, Sua morte e ressurreição estavam sob o Seu controle o tempo todo. Aliás, na cruz, foi Ele que entregou espontaneamente o Seu espírito ao Pai na hora certa (Mt 27:50; Lc 23:46; Jo 19:30), na hora determinada, quando tudo estava concluído para que as profecias das Escrituras Sagradas se cumprisssem (Jo 19:28) e quando toda a obra de salvação já estava consumada (Jo 19:30) e para a pregação do evangelho (Lc 24:44-49).

Jesus foi um fraco, derrotado? E Deus foi injusto? Não, jamais, porque o evangelho de Jesus Cristo é o poder e não a fraqueza de Deus para a salvação de todo aquele que crê, evangelho esse que revela a justiça e não a injustiça de Deus, justiça do princípio ao fim que é pela fé (Rm 1:16-17).

Realmente, o sentido da morte de Cristo na cruz e o Seu evangelho para aqueles que não possuem o Espírito Santo e não discernem espiritualmente as obras de Deus, pode parecer uma história sem lógica aparente, pode "soar" como algo escandaloso ou uma loucura (1Co 1:23-24; 2:10-16). Mas, a mensagem da cruz realmente é loucura para aqueles que não conhecem a Cristo ainda e estão se perdendo, mas essa mensagem, para aqueles que estão sendo salvos por ela, é o poder de Deus e não a fraqueza de Deus (1Co 1:18).

Aqueles que pensam como o mundo pensa não entenderão a mensagem da cruz, pois Deus tornou louca a sabedoria deste mundo e "visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que crêem por meio da loucura da pregação" (1Co 1:20:21, cf. vv.25-29; 3:18-19). Nós, porém, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito procedente de Deus, para que entendamos as coisas que Deus nos tem dado gratuitamente" (1Co 2:12). Ademais, Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus (1Co 1:24b) e "o Reino de Deus não consiste de palavras, mas de poder" (1Co 4:20).

Portanto, à vista de tudo o que afirmamos, a morte de Cristo não ocorreu na hora determinada por outra pessoa ou devido à alguma influência de Seus perseguidores e nem muito menos por Satanás, ela havia sido predeterminada na eternidade por Deus. O povo e as autoridades judaicas e romanas fizeram toda essa injustiça com Jesus muitos por ignorância e por não terem entendido e reconhecido quem era realmente Jesus, mas mesmo assim, todos eles são culpados por seus pecados (Jo 15:22-24; 16:9; 19:11; Rm 2:6; 1Co 2:8).

Aliás, por mais difícil que seja de se compreender e pior ainda para explicar, Deus age soberana e misteriosamente utilizando as vontades, decisões e atitudes humanas e até mesmo o Diabo para os Seus propósitos, sem interferir na livre escolha humana, sem interferir nas vontades do próprio Satanás, sem deixar de ser soberano e além de tudo, sem poder ser chamado de culpado ou injusto por determinada situação, pois na verdade, foram atos operados pela livre vontade dos seres humanos, os verdadeiros culpados e atos realizados pela vontade de Satanás, também culpado de muita tragédia e desgraças que ocorreram e ocorrem.

Todos estes preceitos que temos visto, de uma forma ou de outra, estão intrínsecos em várias declarações dos apóstolos em suas pregações no início da igreja primitiva e da pregação do evangelho às nações:(At 2:22-24; 3:13-15,17-19; 4:27-28,31; 13:26-27; vejam ainda os vv. 28-30; comparem com 1Co 2:7-8).

Deus transforma aparentes derrotas em vitórias indescritíveis. Eis que surgiu uma grande notícia depois de tanta tragédia, dada por um anjo:

"Não tenham medo! Sei que vocês estão procurando Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito. Venham ver o lugar onde ele jazia." (Mt 28:5-6; comparem com Mc 16:6; Lc 24:5-6).

À despeito de todo ódio, inveja, planos de conspiração, maldade e crueldade dos seres humanos, Jesus ressuscitou!! Aleluia! Glória a Deus! (1Co 15:3-8).

Maria Madalena foi uma das primeiras pessoas a falar da ressurreição, ela correu para anunciar aos apóstolos: "Eu vi o Senhor" e lhes contou sobre o seu encontro com o Mestre ressurreto (Jo 20:18; comparem com Mt 28:7-10; Mc 16:9).

Devido ao plano de salvação em sua totalidade, isto é, o fato de Deus de antemão nos conhecer, nos predestinar, nos chamar, nos justificar e (na eternidade) nos glorificar é que temos a certeza que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que O amam, que foram chamados conforme o Seu propósito. Ele atua em todas as circunstâncias da nossa vida de modo que, mesmo sendo ruins, elas cooperarão juntas para o nosso bem, segundo o Seu propósito (Rm 8:28-30).

Diante de tudo isso, já que Deus é por nós, está ao nosso favor, já que Ele mesmo nos justifica, quem será contra nós? Deus não poupou nem o Seu Filho amado, mas pagando um alto preço (1Co 6:20; 7:23), O entregou por nós para passar por tudo aquilo que estudamos anteriormente, certamente pode nos dar de graça todas as coisas (Rm 8:31-32).

Cristo morreu e ressuscitou e intercede por nós junto ao Pai. Portanto, nada poderá nos condenar e nos separar do Seu ilimitado, incondicional e imensurável amor, nem angústia, nem pereguição ou privações ou perigos, nem anjos, nem demônios, nem o presente, nem o futuro, nem altura ou profundidade, ou qualquer outro poder, nada (Rm 8:33-35).

O amor de Cristo sempre estará conosco independente da situação, boa ou ruim. Em todas estas coisas, portanto, não somos derrotados, mas também não somos apenas vencedores, nós somos MAIS QUE VENCEDORES, através do amor de Deus, demonstrado em Cristo Jesus na cruz. Ele não foi assassinado, Ele entregou espontaneamente a Sua vida ao Pai em nosso favor, por nos amar infinitamente (Jo 13:1).

Portanto, em se falando em vitória, damos graças a Deus e à Sua graça maravilhosa, Ele nos dá a vitória por meio do sacrifício de Cristo, a nossa justificação e redenção (Rm 3:24) e por isso, não desanimemos, mantenhamo-nos firmes, inabaláveis diante das circunstâncias adversas, sempre dedicados na obra do Senhor, nos ministérios que Ele nos deu, pois Ele venceu, Ele ressuscitou com poder (Rm 1:4) e em carne e osso, Ele não é um fantasma ou uma lenda (Lc 24:36-39). Ele está vivo e dirigindo soberanamente a Sua Igreja e, por isso, o nosso trabalho para Ele jamais será em vão (1Co 15:57-58).

Cristo ressurgiu dos mortos, em glória. Ele jamais foi um "mais que derrotado", mas Ele certamente é o "mais que vencedor" máximo da história humana, o maior exemplo de vitória a ser seguido. Passaremos, sim, por aflições, mas precisamos manter o ânimo e a nossa fé Nele que é capaz de vencer o mundo (1Jo 5:4). Porque Ele venceu, nós podemos vencer também:

"Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo." (Jo 16:33).